Segunda, 04 Dezembro 2017 22:47

Após dispensa, usina em Brejo Alegre demite 400 trabalhadores

Escrito por
Avalie este item
(0 votos)
Folha da Regiao Folha da Regiao

Uma semana após orientar os funcionários da área industrial a ficarem em casa por tempo indeterminado, de forma remunerada, a usina de açúcar e álcool Revati, em Brejo Alegre (a 44 km de Araçatuba),

convocou esses trabalhadores para rescindir os contratos de trabalho. Sem dinheiro para pagar as verbas indenizatórias, a direção propôs parcelar os pagamentos em até oito meses, com o primeiro pagamento em maio de 2018.

Conforme matéria publicada pela Folha da Região, a ordem para que os funcionários permanecessem em casa foi feita na sexta-feira (17). Como dia 20 foi feriado, desde o dia 21 eles aguardavam uma nova posição da empresa. Segundo o que foi informado à reportagem, na madrugada de ontem os funcionários foram convocados a comparecer na unidade de Promissão para assinar a rescisão dos contratos, pois a Revati não vai operar na próxima safra.

Com o desligamento, a empresa propôs parcelar as verbas indenizatórias, incluindo o 13º salário, e o pagamento do salário de novembro, a ser pago em dezembro, em oito vezes, com o primeiro pagamento em maio de 2018.

O presidente do Sindalco (Sindicato dos Trabalhadores da Indústria e Fabricação de Álcool) em Araçatuba, José Roberto da Cunha, informou que está acompanhando as negociações e que uma definição sobre os pagamentos dos funcionários deve ocorrer até o início de dezembro. Ele confirmou a proposta feita pela direção da usina de parcelar os pagamentos, o que teria incomodado bastante os trabalhadores. Do total de 700 trabalhadores, 400 estariam sendo demitidos e destes, 70 são ligados ao Sindalco.

Cunha disse que durante o dia a empresa anunciou ter conseguido um aporte de R$ 3 milhões, que possibilitaria pagar pelo menos os valores do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço).

ACORDO
Segundo ele, o sindicato tenta chegar a um acordo o mais breve possível, pois, se isso não acontecer, a decisão vai para a Justiça, que marcará audiência apenas para fevereiro do próximo ano. "Se for para a Justiça, teremos que esperar e vai parcelar do mesmo jeito, pois a empresa não tem dinheiro para pagar", comentou.

O presidente do sindicato informou que caso chegue a um acordo, os trabalhadores conseguirão pelo menos dar baixa na carteira de trabalho para dar entrada no FGTS e no seguro-desemprego. A usina Revati, que pertence ao Grupo Renuka do Brasil S.A., está em processo de recuperação judicial. O grupo iniciou as atividades em Promissão em 1981, com a usina Equipav, e em 2008 inaugurou a Biopav, unidade de Brejo Alegre, que tem capacidade para moer quatro milhões de toneladas de cana por safra.

Em 2010, a empresa indiana Shree Renuka Sugar adquiriu participação majoritária nas duas usinas e rebatizou as duas unidades de Madhu (unidade de Promissão) e Revati (Brejo Alegre). Porém, com dificuldades financeiras, em 2015 a Renuka do Brasil deu início a um processo de recuperação judicial. No ano seguinte, os credores aprovaram um plano para a venda da usina Madhu, que chegou a ir leilão, mas não houve interessados.

LEILÃO
Os credores também aprovaram o leilão da Revati, como uma UPI (Unidade Produtiva Isolada), ou seja, sem pendências para o comprador. Entretanto, a pedido do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), o leilão que aconteceria em setembro foi suspenso e não há previsão de data para ser realizado.

O presidente do Sindalco informou que caso o acordo de parcelamento das rescisões trabalhistas seja fechado, nele deve constar que em caso de venda da unidade, os valores serão quitados. A reportagem entrou em contato com a Renuka do Brasil, mas não recebeu retorno.

Ler 960 vezes