Take a fresh look at your lifestyle.
criamos-site-scaled
1040x150229351348446959154-1
4DC79665-9164-4178-B0E7-45B1537A23B8
criamos-site-scaled
53B2AF77-A8B3-42F4-A5FB-4B17E3049F45

POLÍCIA MILITAR PRENDE TRIO E RECUPERA 25 CABEÇAS DE GADO FURTADAS

0 82
criamos-site-scaled
1040x150229351348446959154-1
4DC79665-9164-4178-B0E7-45B1537A23B8
criamos-site-scaled
53B2AF77-A8B3-42F4-A5FB-4B17E3049F45

OIS ANIMAIS ESTAVAM MORTOS E 3 TIVERAM QUE SER SACRIFICADOS POR TEREM SIDO PISOTEADOS PROVAVELMENTE DURANTE O TRANSPORTE
A dona de uma chácara em Penápolis (SP) e dois homens que estavam com um caminhão boiadeiro foram presos em flagrante na madrugada de quinta-feira (19) por furto de 25 cabeças de gado de um sítio em Cafelândia. A ocorrência só foi concluída durante a tarde, depois que o proprietário dos animais esteve na cidade e os reconheceu.

Dos 25 bovinos recuperados, dois já estavam mortos e três tiveram que ser sacrificados por terem sido pisoteados. A carne desses três animais foi doada para entidades assistenciais de Penápolis.

Thank you for watching

O flagrante foi feito depois que policiais militares suspeitaram de um caminhão boiadeiro que estava pela estrada Irmãos Buranello, por volta das 2h. Sabedores de que havia ocorrido vários furtos de gado na região recentemente, a equipe fez a abordagem na rua Antônio Valdemarin Rossi, na frente de uma chácara.

Segundo a polícia, o caminhão era conduzido por um homem de 27 anos, que trazia como passageiro um de 50 anos. Os policiais notaram que havia 25 cabeças de gado no caminhão e que dois dos animais estavam mortos.

Questionado, o motorista do veículo apresentou nota fiscal e guia de transporte animal com autorização para transporte de 13 animais, ambas vencidas. Alegou ainda que havia pego a carga na chácara onde estava e a levaria para um frigorífico em Ouro Oeste. Entretanto, o caminhão teria apresentado problemas, por isso ele estava retornando para a chácara.

Furto

Os policiais fizeram contato com a proprietária do rancho, uma mulher de 58 anos, que inicialmente alegou que não conhecia propriedade, mas depois admitiu que o motorista do caminhão presta serviços para ela na chácara e que o outro investigado já havia estado na propriedade algumas vezes buscar cabeças de gado.

Os três foram levados para o plantão policial, onde a mulher acabou confessando que o gado era furtado e que na segunda-feira (16) também havia recebido uma carga de animais furtados, sem informar de onde. O celular dela e do motorista do caminhão foram apreendidos para perícia.

Maus-tratos

Segundo a polícia, foram constatados maus-tratos nos animais que estavam na carroceria e por isso, foi autorizado que eles fossem descarregados na chácara, com exceção dos três que haviam sido pisoteados e não tinham condições de se locomover.

Um veterinário da Prefeitura esteve no plantão policial e informou que os três animais feridos teriam que ser sacrificados, podendo a carne ser aproveitada.

Após vistoria realizada pela Vigilância Sanitária Municipal, a carne dos animais abatidos foi distribuída para a Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), ao Lar Vicentino, à Associação Unidos pela Vida e ao Moveca (Movimento Vestindo a Camisa). Os dois animais que já estavam mortos foram levados para o aterro sanitário.

Identificado

Durante o registro da ocorrência, os policiais passaram a compartilhar fotos dos animais pelo aplicativo WhatsApp e eles foram reconhecidos por um homem de 52 anos, dono de um sítio em Cafelândia, município vizinho a Lins.

Ele esteve na delegacia acompanhado de um cunhado e informou que o furto possivelmente ocorreu entre quarta e quinta-feira, mediante arrombamento de uma cerca da propriedade. Ainda segundo a vítima, cada animal está avaliado em aproximadamente R$ 3.500,00.

O veterinário confeccionou um laudo que seria anexado ao boletim de ocorrência e acionaria a Polícia Militar Ambiental para tomar as providências administrativas relacionadas aos maus-tratos aos animais.

O delegado plantonista decidiu pela prisão em flagrante dos três investigados, sem direito a fiança, e representou pela conversão das prisões em preventivas. Foi determinada a realização de perícia no sítio que teve os animais furtados, na chácara onde o gado foi descarregado e no caminhão, que foi apreendido.

Hojemais.com.br

Comments
Loading...